Publicidade

Diocese determina missa sem povo em 29 municípios inclusive em Matão

WhatsApp Image 2020 03 19 at 10.34.07Dom Paulo Cezar Costa, Bispo da Diocese de São Carlos, responsável por 29 municípios, determinou que os padres rezem sozinhos as missas, sem a presença dos fiéis.

A determinação tem como objetivo assegurar a vida dos fiéis e do clero. “A Igreja deve viver as alegrias e as esperanças, mas, também, as tristezas e as angústias de seu povo. Que neste tempo, a Missa não seja com o Povo, mas para o Povo, para o seu sofrimento” – afirmou o Bispo.

Além das determinações, recomendações também foram publicadas: dentre elas, o pedido de que os fiéis evitem se confessar e que, sendo possível, batizados e casamentos sejam adiados.

Confira aqui a íntegra da nota

São Carlos, 19 de março 2020.

Aos Revmos. Srs. Padres e Diáconos,

Aos Religiosos (as), Consagrados (as),

Seminaristas, Leigos e Leigas

“Como um menino a quem sua mãe consola, assim eu vos consolarei” (Is 66, 13).

A preocupação pastoral de que “não se perca nenhum daqueles que o Senhor me confiou” (Jo 17,12) me fez escrever notas deliberativas tendo como objetivo prevenir a disseminação da COVID-19. Tendo em vista a confirmação de um caso no território de nossa Diocese de São Carlos, neste tempo, faz-se necessário antecipar novas orientações.

Não podemos ter medo ou pânico, mas se podemos tomar medidas restritivas que irão colaborar com a sociedade civil, neste momento, nós queremos fazê-las. Inspirados no exemplo de São José, homem prudente e justo, que assume o projeto de Deus, peçamos ao Senhor a graça de “dar um sentido evangélico” neste tempo de provação, vivendo “este momento difícil com a força da fé, a certeza da esperança e o fervor da caridade” (Papa Francisco em Ângelus de 08/03/2020).

Para tanto, determino que:

  1. Para evitar a propagação do vírus, tendo em vista a saúde daqueles pertencentes ao grupo de risco e dos demais que podem ser agentes transmissores, dispenso os fiéis da obrigação de estarem presentes fisicamente nas Missas (cf. CIC, Cân. 87). Neste tempo a Missa não seja com o Povo, mas para o Povo – observando que dispensados de estarem na Missa possam participar através dos meios de Comunicação Social;
  1. Para evitar a propagação do vírus e garantindo que os padres pertencentes ao grupo de risco e os demais padres que estão fora deste grupo, mas são possíveis transmissores, se sintam assegurados em sua saúde, determino que os horários de Missas sejam mantidos, mas realizadas sem a presença do povo, e transmitidas pelos meios de comunicação social. Rezando pelo Povo, oferecendo as angústias e tristezas do Povo, bem como de seus familiares e amigos (Cf. CIC 904);
  1. Para que os fiéis encontrem refúgio espiritual no templo, determino que as igrejas fiquem abertas para que possam realizar suas orações pessoais – observando que, haja ministros à disposição caso o fiel sinta a necessidade de receber a Sagrada Comunhão;
  1. Para que os fiéis vivenciem a experiência de conversão, peço que neste tempo de reclusão se viva mais intensamente a família, como Igreja doméstica. Que mediante a pandemia do coronavírus, evitem o sacramento da confissão, mas, se o fiel sentir uma real necessidade que possa recorrer à Igreja. Neste caso, pede-se que o padre observe a adequada higienização e distância de segurança preventiva;
  1. Para que se evite a circulação de pessoas, determino que os padres tenham uma conversa sincera e franca com as famílias que se preparam para batizar seus filhos, bem como com aqueles que pedem o sacramento do Matrimônio. Avalie-se a possibilidade de adiamento destes sacramentos;
  1. Para que os enfermos e as famílias de luto não fiquem sem assistência da Igreja, determino que a unção dos enfermos e a celebração de exéquias sejam realizadas com o máximo cuidado, observando as regras de higienização e atendendo as solicitações dos hospitais, no caso dos enfermos internados;
  1. Para que façamos a experiência dos primeiros cristãos, peço que as paróquias sejam criativas para oferecerem conteúdos religiosos através dos meios de comunicação social como: oração do Santo Terço, meditação da Palavra, Círculo Bíblico on line, Catequese, entre outros. É tempo de se redescobrir os valores familiares e valorizar a Igreja doméstica, por isso desejo que as famílias orem juntas e meditem a Palavra de Deus, em comunhão com suas paróquias;
  1. Novas determinações serão deliberadas acerca da Semana Santa 2020.

Convido nossos Católicos a viverem esta crise como um momento de crescimento e fortalecimento na fé, pois Cristo Morto e Ressuscitado é o fundamento de nossa esperança. Inspirados pela Campanha da Fraternidade 2020, que nos convida a experiência evangélica do “viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), não percamos de vista a importância do cuidado de si, mas sobretudo, do cuidado com aqueles que são os mais frágeis de nossa sociedade. Precisamos uns dos outros, na conscientização, na responsabilidade e na oração. Façamos deste tempo um momento de conversão e amadurecimento de nossa santidade pessoal e comunitária. 

Rogo a Deus, por intercessão de São José, para que estejamos amparados e assistidos neste momento de crise.

Dom Paulo Cezar Costa

Bispo Diocesano de São Carlos

Pesquise no Site

Publicidade